Arquivo do mês: setembro 2011

Tóquio em lápis de cor.

Uma das minhas melhores compras em outubro foi esse livrinho/sketchbook delicioso, o ‘Tokyo on Foot‘. Coloquei aqui na mesa de centro da minha sala e meus amigos adoraram! Está recheado de memórias gráficas feitas de lápis de cor e mapas. Para viajar no sofá de casa com um copo de matcha + leite. 🙂

E no mesmo dia ainda arrematei um guia de viagem pra nerd, o ilustradíssimo ‘A Geek in Japan’. Pra variar, comprei em Toronto. Pra variar, perdi umas 4 horas lendo essas belezinhas e tomando café mijo-de-gato (argh, Starbucks, mas era o que tinha ali perto). A editora é de algum lugar no mundo e os livros são impressos em Cingapura e, mellldellls, me segura Berenice que eu quero comprar o site inteiro.

Não sei se dá pra comprar no Brasil. Mas dá pra comprar pelo site da Tuttle Publishing e, pá, livro não paga imposto. 🙂 Logo, compre tudinho de uma vez no fim do ano pra pagar uma entrega só. Aliás, tô só vendo o catálogo e acho que vou mandar brasa!

 

 

 

3 Comentários

Arquivado em Japão, livros

verão pequinês

Uma tarde em Nan Luo Gu Xiang (南 锣 鼓 巷), um dos meus lugares favoritos em Pequim.

 

 

6 Comentários

Arquivado em China, Pequim

Uma coisa que me tira o bom-humor são essas “amigas” que amam demais. Não apenas seus companheiros, mas tudo e qualquer coisa que as rodeie.

Lembro de uma maluca que disse que me considerava uma irmã. O detalhe é que nunca fui tão próxima assim dessa garota – nos vimos poucas vezes na vida. Descompensação total e muita colocação pra pouco TÓCHICO: no primeiro desentendimento tomei um fatality que passei a ponderar muito sobre quem é amigo ou quem é doidinho de canequinha de lata amarrada na cintura.

Irmã eu tenho duas biológicas e mais uma agregada. Sou geminiana e preguiçosa demais pra cultivar certas acquaintances. E babaca de menos pra aceitar destemperos de mulheres “intensas”.

Não é que libanesa te despreza, não. É que libanesa realmente não poderia se importar menos.

11 Comentários

Arquivado em Uncategorized

dê um tapa na (dona da) peruca

É muito bom ter um bichinho. Meu maltichón (mistura de maltês com bichón) Luís Antônio é uma das maiores preciosidades da minha vida. Tenho muitos amigos que são loucos pelos seus animaizinhos de estimação.

Hoje de manhã descobri essa empresa. Uma galera que oferece serviços de perucas e fotografia para gatos. Porque se existe débil mental que vende esse tipo de serviço… É porque existe débil mental que compra.

Se eu fosse um gato fotografado, viraria aquele chimpanzé assassino que desfigurou a dona. Existe uma linha bem definida entre amar seus bichos de estimação e ser babaca para o baralho.

(eu já comprei uma roupa listradinha de abelhinha pro meu cachorro, mas ele se recusou a vestir kkkkk)

5 Comentários

Arquivado em Uncategorized