Arquivo da categoria: moda

ô coisinha tão horrorosinha do pai

Que o custo de vida no Brasil é alto não adianta nem discutir. Passar uma temporada em São Paulo é quase tão caro quanto férias em Luanda (onde um lanche do McDonalds custa fácil mais do que 18 dólares estadunidenses). Mas cobrar R$ 797,00 numa SACOLA DE LONA, Osklen, pulfavô!

Toda vez que entro nessa loja sei que vou gastar um milhão de dólares em uma camiseta. Mas aceito esse fato porque meu namorado merece um agradinho e a média de 200 Dilmas não vai matar meu orçamento – porque acho bonitinho ver um indiano vestindo “United Kingdom of Ipanema” e ficar todo pimpão com a namorada latina.

Aí vi uma sacola de lona super legaaaal pra passar um dia na praia e fazer a gatinha-brasileira-descolada-patriota-babaca. Pensei em pedir de aniversário pra minha mãe. Mas seria mais fácil botar uma arma na cabeça dela e pedir tudo o que ela tem na carteira do que pedir isso.

Mais absurdo do que cobrar todas essas verdades numa sacola de lona é cobrar milão nisso. Não vi bolsa tão feia como essa nem na feirinha de maconheiros europeus em Bangkok. Arte no durepox, essas merdas todas, tie dye, piolhos e chinelão de couro.

Como já diria o Mallandro (grande Sérgio): ié ié.

(mas esse tricô tá lindão. Parcela em 24 vezes? kkkkkk)

Anúncios

7 Comentários

Arquivado em moda

Nicole

Só eu que passei mal de morrer com o vestido luxo da Nicole? Reem Acra, a designer, é libanesa, aliás. Beijos.

4 Comentários

Arquivado em moda

que chiqueza


Compre aqui.

Huahuahua, acho versátil.

1 comentário

Arquivado em moda

comeu cocô, indiana?

Vi isso aqui no Indi(a)gestão e fiquei bege. Leiam a postagem aqui e me digam o que acham.

O que eu acho:

1. A editora da revista, a indiana Priya Tanna, deve ter comido cocô e bebido água do chuveiro para achar que essa “brincadeira” seria de bom gosto;

2. Achei humilhante. Sou politicamente incorreta, mas tudo tem limite. Acho que só se chocha beecha pão com ovo com pobreza não se brinca. Tipos, Joselito sem noção total. Babador Fendi numa criança famélica…

3. Pra ser editora da Vogue indiana essa tia tá bem derrubadinha. Que blusinha é essa de tarde no Clube Regatas de São Vicente + bingo? Que escritório é esse? Meu cafofo em Dubai é bem mais estiloso.

4. Eu também tenho braço gordinho. E não uso blusa sem manga nem fodendo. Então, oi?

16 Comentários

Arquivado em merdão, moda, TPM

Meu cu é despojado.

Deu no UOL Moda (onde mais?) que a Praça Benedito Calixto é para “despojados”. Ok, isso eu já sabia. Todos os maconheiros e fãs das músicas dos festivais da minha sala na faculdade a-do-ra-vam as roupas de brechó desse lugar.

Particularmente acho a Benedito Calixto um erro. A famosa feira de antiguidades é, na verdade, uma coleção de velharias que ninguém mais quer. Feirinha de antiguidades mesmo era aquela do Iguatemi (não sei se continua boa, mas antigamente era chuchu beleza) ou os leilões que minha avó peruona, a saudosa dona Diva Giannini, frequentava.

E o povo é um cruz-em-credo com dor de barriga que me dá uma preguiça… Modernete de brechó. Aquelas meninas que vestem bermuda em cima de meia calça com camisa e boina e, no final, parece menino… Na minha casa isso se chama cafona, mas na Praça Benedito Calixto, isso é ser “despojado”.

Achei a matéria tão infeliz que chegaram a fotografar uma bolsa Adidas de um estudante. Olha, até o porteiro do meu prédio aqui em Dubai tem uma bolsa Adidas. Ok que ele comprou no Karama (a nossa 25), mas o estilo é o mesmo e o Mahesh é um indiano cheio de garbo (huahuahua eu adoro, o único problema é o bigodinho de porteiro… mas como ele é porteiro…).

Se tem coisa que eu não suporto é roupa de brechó. Tipos nojinho de usar second hand clothes. Tipo… Sabe lá quem vestiu isso antes. Se tinha psoríase, coceira, micose, biru biru ou xanha.

Confesso que adoro usar terninho com calça jeans e sapatênis. Mas meu tênis não é conga (nem digo o que é para não ser sequestrada, huahua), meu terno não é de brechó. E o lenço no pescoço eu não achei numa banquinha da Teodoro (compro na Harvey Nichols, chora periferia).

O mais hype da galera é dizer que garimpou tal peça em uma “feirinha dessas na França”. Ok. Eu não chocho esse lado esnobe porque sou o mesmíssimo porre, olha só meu Valentino que comprei em Roma. Mas fico impressionada como o povo vai pra gringa e traz coisa feia. Coisas iguaizinhas àquelas que você vê em feirinha hippie do Embu.

Mas o que mais me chamou a atenção foi ver que tem gente que ainda usa sandalinha Melissa com meia. Oh my God. That’s so 1999!

7 Comentários

Arquivado em chocho, moda