Arquivo da categoria: obesidade

é foda ser gordinha

Eu já passei por isso quando pesava algumas arrobas. Foda.

http://www.youtube.com/v/0YFbJeVaHMI&hl=en&fs=1

* adivinhem de quem roubei…

2 Comentários

Arquivado em chocho, obesidade

Ah, as gordas.

Desde meu último recadinho aos magoados, recebemos milhaaaares (huahuahua) de e-mails aqui na redação da libanesa (huahuahua ao quadrado) de gordinhas magoadas. Bem, minha intenção não era ofender gordo nenhum. Agora, se você se ofende com o rótulo de gordo, pois, emagreça.

Digo isso porque vivi um inferno de mais de 20 anos: a tal obesidade. Fiz todos os regimes possíveis: vigilantes do peso (me acabava no fim do dia com o tal queijo cottage e copão de Nescau), o sopão de legumes desintoxicador, a dieta de Beverly Hills (que terminou com pencas de brigadeiro no Amor aos Pedaços porque eu não mais aguentava comer abacaxi), os pontos do Dr. Alfredo Halpern, injeções, acupuntura, passe espírita, dieta dos ciganos, dieta da lua, da USP, enfim, experimentei toda e qualquer mandinga para emagrecer.

Nunca funcionou.

Sempre detestei academias (continuo detestando) e nunca substituí chocolate por fruta, afinal, odeeeio frutas. Ou seja, estava condenada ao eterno círculo da frustração saciada por comilança.

Confesso que vivi em um inferno. Quando você está acima do peso, é obrigado a tolerar chacota dos outros e sorrir. Afinal, em estado muito adiposo o mundo te considera um “preguiçoso” ou “sem vergonha que se entope de pão de mel”. Porque acham que gordinhos são simpáticos? Não é uma opção, mas uma necessidade.

Acho que não preciso nem descrever o inferno que foi a minha vida por mais de 20 anos em que fui roliça, não é? Não saía, comprava as roupas que cabiam, não as que gostaria, não ia a praia (ok, até hoje eu não vou porque detesto areia), não tinha auto-confiança nem para peitar um chefe que não me pagava.

Minha solução foi reduzir o tamanho do estômago. Uma solução drástica, mas, como já disse, estava no inferno. Deu certo, emagreci e minha vida mudou completamente. Descobri que era bonita, que tinha pernas longas e grossas, que meus seios eram sensacionais – a despeito das estrias e marcas que a obesidade me deixaram.

Então, caros gordinhos, se vocês estão felizes sendo gordinhos, não chochem minha caixa postal. Porque se o fazem começo a duvidar. E se estão no inferno, encontrem a solução. Sou fã da gastroplastia porque vi muita lagarta virando borboleta. Tenho uma amiga que estava bem toiça e se motivou com minha cirurgia. Ela fez. Emagreceu, está linda, feliz e conquistando o mundo assim como eu. E tantas outras…

Obesidade é doença SIM e graças a Deus me curei. Se estiver interessado, dê uma googlada ou fuce comunidades no Orkut. Estão recheadas de informações – inclusive sobre cirurgias gratuitas na rede pública ou financiamentos.

Tenho 1,77m e sou a pessoa mais feliz em experimentar uma calça jeans 46 e ver que estar enooorme. Ah, sim, agora meu manequim é 42 de calça (sou cadeiruda, Nuschkur Allah), 40 na parte de cima e 44 para camisas com botões graças as peitcholas (e ainda mando apertar na cintura, que delícia).

E juro, me entupo de Doritos e chocolate em TPM. Chego a engordar 3 quilos. Mas esse é meu limite e, naturalmente, volto a emagrecer quando risco essa porcariada da minha dieta.

Então, fofitos e fofoletes do meu Brasil… Tem jeito pra tudo nessa vida. Se eu consegui, vocês conseguem. E párem de encher meu saco, porra!!!

10 Comentários

Arquivado em obesidade